sábado, 3 de outubro de 2009

Um momento bonito!


Não poderia deixar de postar esta foto. Quando o indiano Shridhar, que fez de sua cozinha um laboratório, aprendia a preparar masala dosa para seu filho. Bonito isso não? Um pai que vai até o curso aprender a receita predileta do filho! Mais saboroso do que um bom masala dosa, é o amor que este pai derrama sobre seus filhos, o dosa é apenas um pequeno aperitivo perto disso...

terça-feira, 9 de junho de 2009

Futilidades indispensáveis

Quem cozinha se deixa seduzir muito facilmente pelo mundo dos sabores, das descobertas. Mas será que não é mesmo incrível esta caixa abaixo com 24 sais. Os mais raros, os mais saborosos...
A Artisan Salt, tem essa caixa feita de bambú com sais de todo o mundo. Custa em torno de 100 dólares.

Mas recomendo a Flor de Sal, que custa por volta de R$15,00 e pode ser encontrada em lojas de especiarias. Recomendo o Sal Rosa, que é o sal mais puro do mundo, de um paladar incrível e muito usado na cozinha indiana. Ele rende um sabor bastante sofisticado e exótico aos pratos. Custa em torno de R$50,00.


E a maquina de café expresso da Nestlè! Linda, pequena e prática. E melhor: A Nestlè dispõe diversas cápsulas com topo o tipo de café e seus teores, que são oferecidas aos convidados em uma caixa super elegante. Custa certa de R$ 1000,00.


Na minha opinião, não menos charmoso é o moedor de café à moda antiga, com gosto de fazenda e engenho. Assisti uma reportagem onde o grande charme de um café consistia justamente em preparar diante do convidado o cafezinho passado no pano... sobre a mesa ia uma mini suporte onde em um pequeno saco de pano passava-se o café diante do cliente.
E essa custa apenas R$40, 00!

terça-feira, 14 de abril de 2009

Festa!!!


NOITE DA ÍNDIA
Sathya Yoga promove noite de culinária indiana
A Noite da Índia tem como intuito apresentar a culinária indiana para petropolitanos que nunca tiveram contato com os costumes da região. Pensada por Fábio Goulart, diretor da Sathya Yoga, e Leonardo Reis, diretor comercial da Quatzo Medicall, a noite terá tom informal e divertido, contudo serão apresentados pratos que atendam ao público de forma prática, sem pecar quanto ao sabor.
A cozinha será de inteira responsabilidade de Fábio Goulart, que além de diretor da Sathya Yoga é praticante e pesquisador da cultura indiana há 15 anos, chefe de cozinha indiana há 10 anos e professor de Yoga formado há 5 anos. “Meu primeiro trabalho com a cozinha indiana ocorreu quando eu tinha 14 anos. Não havia cursos de especialização em cozinha indiana em Petrópolis e poucas pessoas a conheciam, exceto aquelas que viajaram para o exterior. Hoje eu ministro os cursos de cozinha indiana que eu gostaria de ter participado há 14 anos”, declarou Fábio.
De acordo com Fábio a festa tem como tema o Bollywood, que celebrará a cultura em torno das produções cinematográficas em Mumbay. Uma noite à caráter com muita música para dançar. Mas para que os convidados não encontrem desculpas para não estarem trajados adequadamente, todos os vestiários do espaço vão estar disponíveis para as pessoas se arrumarem. “Vale lembrar também que é uma brincadeira, qualquer véu, pontinho na testa, pedaço de tecido vale para a montagem do figurino”, afirmou.
Com relação ao cardápio, o cheff lembra que as receitas terão como base legumes, frutas e especiarias, mas que todas as receitas vão receber algum tipo de pimenta na composição, sempre usando o bom senso como principal medida de quantidade. “Vou preparar uma série de chatnis, geléias aromatizadas, servidas com torradinhas e crackers. As receitas escolhidas a dedo traduzem o espírito da Índia, trata-se de perfumes e sabores que fazem parte dos lares indianos” afirmou.
Fábio acredita que a Noite da índia vai ficar na memória dos convidados. “Tenho certeza que este tipo de festa irá marcar de alguma forma as pessoas, porque poderão brincar com sua imagem pessoal, dançar ritmos desconhecidos que tocam nas baladas da Índia hoje”, declarou.
A Noite da Índia será realizada na próxima quarta-feira, dia 15 de abril de 2009, das 19h30 às 22h30. na Quartzo Medicall/ Sathya Yoga/ Bem Viver que fica localizada na Rua General Ozório, 65, Centro – Petrópolis/RJ. Os convites limitados para apenas 25 pessoas custam apenas R$10,00 (dez reais).
SERVIÇO
NOITE DA ÍNDIA
Data: 15/04/2009
Horário: A partir das 19h30
Valor: R$ 10,00 (dez reais)
Local: Quartzo Medicall / Sathya Yoga / Bem Viver
Rua General Ozório, 65
Centro – Petrópolis/RJ
CONTATOS
Leonardo Reis
Diretor Executivo Quartzo Medicall
Tel.: (24) 2242-7017/ (24) 7836-1286 / (21) 8741-4102

segunda-feira, 30 de março de 2009

Turma do curso Doces das Índias

Pessoas tão açucaradas quanto as iguarias do curso!

Doces das Índias

Curso: Doces das Índias. (primeiro módulo). As fotos abaixo foram feitas pela Ana Coelho no curso que ministrei no dia 28/03.
Um curso onde doces festivos, que alegram o paladar, transformaram a noite em algo especial!

































sexta-feira, 6 de março de 2009

Os sabores das Índias


Sedas de todas as cores; Mulheres carregando cântaros entre camelos;Palácios que são verdadeiras maravilhas esculpidas em arenito; uma cidade toda azul; lendas mil e o Taj Mahal, um sonho em mármore branco que declama uma história de amor.Imagine então, as delícias que vão às mesas indianas.Pratos instigantes e exóticos, como almôndegas de jaca verde, doces cobertos com prata comestível, assim como refrescos condimentados com pimenta ecominho. Um desafio para o paladar ocidental que não imagina que a cozinha indiana pode ser sua melhor descoberta. Há muitos séculos, tanto a "Rota das Especiarias", quanto "O Caminho Para as Índias" já alardeavam para o mundo os tesouros que um país com mais de 5 mil anos de História guardava. Capazes de conservar alimentos, e principalmente, transforma-los em manjares; as cobiçadas especiarias exigiram muitos esforços dos mercadores para serem adquiridas. As trocas comerciais na época das Grandes Navegações permitiram que a Índia emprestasse parte de seus aromas ao mundo. Porém a Índia reservou para si especiarias que hoje são exclusivas de sua mesa. A cozinha indiana é de longe a mais aromática das cozinhas, pois um dos elementos que a caracterizam é a mistura de especiarias chamada massala, onde pimentas flamejantes podem ter seu ardor amenizado por elementos neutros e adocicados. O curry, vendido nas prateleiras dos supermercados, diferente do que muitos livros já firmaram não constitui um elemento de uma cozinha indiana autêntica. Cada cozinheiro na Índia prepara sua própria mistura de especiarias no momento de cozinhar, triturando as especiarias e associando umas às outras. O termo curry foi uma distorção inglesa para o termo Kari (em hindi) atribuído a uma espécie
de ensopado de vegetais ou carnes que receberam este nome por serem aromatizados com Karipatta (uma folha muito aromática). Existe uma profusão de pratos que variam em cada região. No norte da Índia, região mais fria devido à sua proximidade aos picos gelados do Himalaia, há preparos à base de vegetais ensopados,cordeiros, aves, frutas secas, castanhas, lentilhas,com condimentos que ajudam a reter a temperatura do corpo. Pratos muito saborosos ebem elaborados, como os khormas (ensopados cremosos à base de vegetais ou carnes), os Kababs (espetos de carne assada), entre outras preparações deliciosas. Já no Sul da Índia, com seu calor abrasador há mais pratos à base de vegetais, frutas frescas, frutos do mar, que recebem um banho de especiarias perfumadas com uma ousada dose de ardor, que ajudam a diminuir a temperatura do corpo. O Kerala, estado de praias paradisíacas delineadas por coqueirais,tem sua cozinha composta por pratos muito saborosos à base de leite de coco fresco, tamarindo, karipatta, amchoor (pó extraído de uma espéciede manga ácida). Alguns exemplos de sua cozinha divina são os apimentadíssimos curries de peixes e frutos do mar. A maioria da Índia não consome carnes, já que o hinduísmo tem o Ahimsa (não-violência) como uma de suas normas éticas. As sobremesas indianas, conhecidas como Mithai, são em grande parte à base de leite. As prediletas dos indianos são o Kala Kand (tofes deleite), o Gulabjamoon (bolinhas de leite embebidas em xarope de rosas)e o refrescante Kulfi (sorvete indiano). Melhor que a teoria é a prática, monte uma tenda, perfume-a com incenso e convide as pessoas amadas para que vivam um sonho das mil e uma noites alimentado pelas incomparáveis iguarias da cozinha indiana
e bom apetite!
Artigo escrito por Fabio Goulart há 4 anos, publicado na revista Multistar

quarta-feira, 4 de março de 2009

Calor!!!

Já que falamos de pimenta no último post, nem é preciso mencionar que a cozinha indiana é hiper apimentada. Mas a pimenta além de estimular a paladar e deixar o prato muito prazeroso tem suas propriedades.

Mas claro, que nem todas são amigas, algumas são extremamente hostís.

Certa vez fui assistir um filme de comédia enquanto esfarelava com as mãos algumas pimentas secas. Acabei chorando de tanto rir de uma cena, e lá foi a mão nos olhos...

Outra vez coloquei uma pimenta para enfeitar uma geléia e uma comensal comeu, pois havia afundado em meio à geléia. Umas cinco pessoas, solidárias, fizeram de tudo para apagar o incêncio. Água, pão, vinho, leite, iogurte, farinha de mesa e até reza! Mas, nada... as papilas gustativas pareciam fritar e eu precisei acalmá-la.

A nossa amiga pimenta é rica em vitamina A, B1, B2, C, E e niacina
Possui propriedades analgésicas e energéticas
Favorece a redução de coágulos no sangue, pois é vasodilatadora
Atua como cicatrizante de feridas
Estimula a produção de endorfina no cérebro, hormônio que produz a sensação de bem estar
Tem ação antioxidante, antiinflamatório e anticâncer, além de prevenir a arterioesclerose
Pode reduzir o desejo de comer, sendo benéfico ao tratamento da obesidade
Controla o colesterol

Chana Dal




500 g de grãos de bico
coentro fresco
leite de coco (200ml)
tomates picados (2 xic)
2 cebolas grandes picadas
5 dentes de alho esmagados
3 pimentões pequenos picados (verde,vermelho e amarelo)
3 pimentas malaguetas amassadas
óleo vegetal
massala: 1 colher de sobremesa de cravo, cominho, cúrcuma e noz moscada ralada.
1 xicara de gengibre picado em cubinhos


Preparo:

Refogar o alho até dourar. Adicionar a cebola e especiarias.
Só então adicione o grão de bico já cozido e o leite de coco e deixe ferver por cerca de 8 minutos.
Servir com arroz branco ou clorido com cúrcuma (1 colher de sopa rasa, para 2 xic e arroz)

Os sabores das Índias estão na letra da música




Na bulayaNa batayaNa bulayaNa batayaMhane neend se jagaya hai reAisa chaukail haath mein naseeb aa gayaWoh elaichi khilai ke kareeb aa gaya

Sem contar

Sem me chamar

Sem contar,Sem me chamar, Ele me acorda do sono profundo

De repente meu destino vem aos meus lençóis

E me alimenta com cardamomo, vindo até mim
Acenda a lenha
No meu coração Como se houvesse um fogo ardendo
Para quem nunca rendeu à sua língua o sabor inigualável do cardamomo, experimente a receita do chai postada aqui no blog e depois me diga se não foi uma grande e maravilhosa descoberta.

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Chai







A novela Caminho das Índias já conquistou o coração dos brasileiros. Embora não seja nada cult, ou “in” assistir novelas, e nem ligo, assisto sempre que posso e não é de hoje.
Muitas pessoas andam recorrendo á mim afim de uma boa receita de chai. Por isso decidi lançar aqui no blog alguma coisa sobre esta deliciosa iguaria indiana.
Em Delhi há fabulosos Tea Rooms onde é servido o melhor chai do mundo, eles preparam o chai com o crème de la crème dos chás, o darjeeling.
O chai é equivalente ao nosso cafezinho, estando presente em todos os momentos na vida dos indianos.
Há algum tempo eu havia publicado a receita do chai em uma revista, na época muitas pessoas entraram em contato comigo mostrando-se encantadas com a receita.

O darjeeling

Originário do sopé dos Himalaias, no norte da Índia, o chá preto Darjeeling é para muitos considerado o melhor chá do mundo. Há quem lhe chame o "Champanhe dos Chás". Quanto ao aroma é extremamente complexo. Com uma tonalidade escura de âmbar é especialmente apreciado pela sua fragrância moscatel e algo floral. Tal como todas as preciosidades, o Darjeeling é produzido em quantidades bastante reduzidas (apenas três por cento da produção de chá na Índia), atingindo preços invariavelmente altos em todo o mundo.

Finalmente a receita do chai!!!
Massala Chai

1 xic de gengibre ralado
2 paus de canela com cerca de 7 cm
4 cravos
4 vagens de cardamomo
1 litro de leite (preparado com leite em pó)
Açúcar à gosto
4 sachês de chá preto

Preparo:

Triture as especiarias, exceto a canela.
Caramelize o açúcar até que fique dourado, lance as especiarias ao açúcar e mexa. Lance então o leite e deixe que o caramelo agora derreta.
Cuidado para o leite não derramar, mantenha o fogo brando por 1 minuto.
Desligue o fogo adicione os sachês, após dois minutos coe e sirva!!!

Dica: Use o darjeeling aromatizado com jasmim!

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Ganesh chaturthi, janmastami e diwali

Ganesh chaturthi, janmastami e diwali são três festivais indianos de peso. Toda Índia e também as comunidades hindús fora da Índia celebram estes festivais com luzes, muita música, dança, cores e alegria.

Os três deuses abaixo são muito queridos em toda Índia e cada um dos festivais acima são dedicados à eles.


Ganesh chaturthi Janmastami Diwali


Ganesha, é o famoso deus com cabeça de elefante, aquele que desfaz obstáculos e rende prosperidade.

No meio temos Krishna, uma espécie de "Denis o pimentinha" indiano, aprotava todas.

Depois temos Lakshmí, a deusa da fortuna indiana.


O que há de comum entre os festivais que celebram estes três deuses?

Doces!!!!!!

Fazem uma diversidade de doces que são ofertados aos deuses e também distribuidos entre os indianos.
Os doces indianos são incríveis, tão diferentes dos nossos, e vamos aprender a preparar estas delícias, realmente dos deuses em um curso que darei em breve.
Então convido à todos para que possam descobrir estas jóias açucaradas da cozinha indiana.


Namaste!!!!







segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Espaço Gourmet Xodó de Minas

Neste sábado ocorreu mais um curso sobre a cozinha indiana na cozinha do Xodó de Minas. O público se mostrou bastante satisfeito. A distância entre as pessoas se derreteu ao calor da cozinha indiana. Já temos nosso próximo curso agendado e algumas pessoas já fizeram sua inscrição imediatamente, para não ficarem de fora.
Vamos ter um curso de Pães Indianos e Chatnis (espécies de geléias e pastinhas) e depois um curso de Doces Indianos. Além dos cursos iremos organizar eventos chamados Noites da Índia, os quais já ofereço há anos e consistem em jantares indianos, com música indiana, decoração, apresentações culturais e boa comida.



Comida de Rei

Essa história de baiano ser devoto de dois Santos que são chegados a tudo que leva açúcar não dá lá muito certo. Para satisfazer os seus santinhos o pessoal foi se superando em relação ao preparo de doces! Quindim, cocada de colher, cuscuz de coco, queijadinha, bolo de milho, tapioca com coco, pudim de leite, quebra queicho, pé de moleque, pamonha e haja açúcar!
Além de tudo esse pessoal possui um carisma sem igual e ainda faz o cliente se sentir rei... que rei o quê? Viramos súditos que se curvam depois de termos experimentado alguma destas iguarias.

Na praça General Osório estão os melhores tabuleiros de baiana do RJ, mas os dois primeiros, que ficam na calçada em frente ao Zona Sul, são os melhores na minha opinião.


As fotos acima são destes dois tabuleiros que oferecem uma diversidade de doces que são capazes de fazer com a gente perca a cabeça. Mas o "bolo pudim" é o meu predileto, um bolo de chocolate molhadinho casado com pudim de leite condensado! O doce do centro, na foto abaixo é ele, o bolo pudim, quue já estava um pouco menor, porque eu já havia atacado um super pedaço.

O melhor quindim é o do "quitutes da Yayá" (acho que é esse o nome). Ele brilha, é molinho e desmancha na boca...


Esses tabuleiros proporcionam uma verdadeira orgia gastronômica... e por falar nisso... vale até a pena passar pelo constrangimento de pedir por aquele bolinho delicioso que fica assando no carvão... a gente respira fundo, faz cara de equanimidade, ou descolado e pede:
_Ô baiana, me dê uma punheta!

Baixo segue a receita do bolo de pudim. Eu gosto de fazer o bolo de laranja e às vezes de chocolate e ainda coloco uma calda bacana para cada um dos casos.



Bolo pudim de leite Ingredientes:


Pudim: 1 lata de leite condensado 1 lata de leite comum 4 ovos inteiros 1 colher de sopa de coco ralado (opcional) Bolo: 2 ovos 1/2 xícara (chá) de açúcar 1/2 xícara (chá) de leite morno 1 xícaras (chá) de farinha de trigo 1/2 colher (sopa) de fermento 3 colheres (sopa) de óleo
Modo de Preparo:
Caramelizar a forma ou tabuleiro. Leve um tabuleiro de alumínio (25cm de diâmetro) diretamente na boca do fogão com 1 e 1/2 xícara de açúcar. Com uma colher de pau vá mexendo até que o açúcar derreta e forme um caramelo. Segure o tabuleiro com luva térmica para não queimar as mãos e com auxílio da colher de pau espalhe um pouco do caramelo nas bordas. Reserve. Pudim:Coloque no liquidificador o leite comum, o leite condensado, o coco ralado (se quiser) e os ovos, um a um. Bata bem até que se misturem todos os ingredientes. Coloque em forma redonda com buraco no meio caramelada e reserve.

Bolo: Bata as claras em neve firme, acrescente as gemas, o açúcar, o óleo e o leite morno. Desligue a batedeira, adicione a farinha peneirada com o fermento aos poucos, misturando lentamente. Despeje a massa do bolo sobre o pudim, para assarem juntos na mesma forma e ao mesmo tempo. Leve ao forno por aproximadamente 40 minutos, em temperatura de 180° ou em banho maria por 40 minutos em temperatura de 250°. Se o seu tabuleiro ou forma foi maior que 25cm dobre a massa do bolo e do pudim.