sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Chai







A novela Caminho das Índias já conquistou o coração dos brasileiros. Embora não seja nada cult, ou “in” assistir novelas, e nem ligo, assisto sempre que posso e não é de hoje.
Muitas pessoas andam recorrendo á mim afim de uma boa receita de chai. Por isso decidi lançar aqui no blog alguma coisa sobre esta deliciosa iguaria indiana.
Em Delhi há fabulosos Tea Rooms onde é servido o melhor chai do mundo, eles preparam o chai com o crème de la crème dos chás, o darjeeling.
O chai é equivalente ao nosso cafezinho, estando presente em todos os momentos na vida dos indianos.
Há algum tempo eu havia publicado a receita do chai em uma revista, na época muitas pessoas entraram em contato comigo mostrando-se encantadas com a receita.

O darjeeling

Originário do sopé dos Himalaias, no norte da Índia, o chá preto Darjeeling é para muitos considerado o melhor chá do mundo. Há quem lhe chame o "Champanhe dos Chás". Quanto ao aroma é extremamente complexo. Com uma tonalidade escura de âmbar é especialmente apreciado pela sua fragrância moscatel e algo floral. Tal como todas as preciosidades, o Darjeeling é produzido em quantidades bastante reduzidas (apenas três por cento da produção de chá na Índia), atingindo preços invariavelmente altos em todo o mundo.

Finalmente a receita do chai!!!
Massala Chai

1 xic de gengibre ralado
2 paus de canela com cerca de 7 cm
4 cravos
4 vagens de cardamomo
1 litro de leite (preparado com leite em pó)
Açúcar à gosto
4 sachês de chá preto

Preparo:

Triture as especiarias, exceto a canela.
Caramelize o açúcar até que fique dourado, lance as especiarias ao açúcar e mexa. Lance então o leite e deixe que o caramelo agora derreta.
Cuidado para o leite não derramar, mantenha o fogo brando por 1 minuto.
Desligue o fogo adicione os sachês, após dois minutos coe e sirva!!!

Dica: Use o darjeeling aromatizado com jasmim!

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Ganesh chaturthi, janmastami e diwali

Ganesh chaturthi, janmastami e diwali são três festivais indianos de peso. Toda Índia e também as comunidades hindús fora da Índia celebram estes festivais com luzes, muita música, dança, cores e alegria.

Os três deuses abaixo são muito queridos em toda Índia e cada um dos festivais acima são dedicados à eles.


Ganesh chaturthi Janmastami Diwali


Ganesha, é o famoso deus com cabeça de elefante, aquele que desfaz obstáculos e rende prosperidade.

No meio temos Krishna, uma espécie de "Denis o pimentinha" indiano, aprotava todas.

Depois temos Lakshmí, a deusa da fortuna indiana.


O que há de comum entre os festivais que celebram estes três deuses?

Doces!!!!!!

Fazem uma diversidade de doces que são ofertados aos deuses e também distribuidos entre os indianos.
Os doces indianos são incríveis, tão diferentes dos nossos, e vamos aprender a preparar estas delícias, realmente dos deuses em um curso que darei em breve.
Então convido à todos para que possam descobrir estas jóias açucaradas da cozinha indiana.


Namaste!!!!







segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Espaço Gourmet Xodó de Minas

Neste sábado ocorreu mais um curso sobre a cozinha indiana na cozinha do Xodó de Minas. O público se mostrou bastante satisfeito. A distância entre as pessoas se derreteu ao calor da cozinha indiana. Já temos nosso próximo curso agendado e algumas pessoas já fizeram sua inscrição imediatamente, para não ficarem de fora.
Vamos ter um curso de Pães Indianos e Chatnis (espécies de geléias e pastinhas) e depois um curso de Doces Indianos. Além dos cursos iremos organizar eventos chamados Noites da Índia, os quais já ofereço há anos e consistem em jantares indianos, com música indiana, decoração, apresentações culturais e boa comida.



Comida de Rei

Essa história de baiano ser devoto de dois Santos que são chegados a tudo que leva açúcar não dá lá muito certo. Para satisfazer os seus santinhos o pessoal foi se superando em relação ao preparo de doces! Quindim, cocada de colher, cuscuz de coco, queijadinha, bolo de milho, tapioca com coco, pudim de leite, quebra queicho, pé de moleque, pamonha e haja açúcar!
Além de tudo esse pessoal possui um carisma sem igual e ainda faz o cliente se sentir rei... que rei o quê? Viramos súditos que se curvam depois de termos experimentado alguma destas iguarias.

Na praça General Osório estão os melhores tabuleiros de baiana do RJ, mas os dois primeiros, que ficam na calçada em frente ao Zona Sul, são os melhores na minha opinião.


As fotos acima são destes dois tabuleiros que oferecem uma diversidade de doces que são capazes de fazer com a gente perca a cabeça. Mas o "bolo pudim" é o meu predileto, um bolo de chocolate molhadinho casado com pudim de leite condensado! O doce do centro, na foto abaixo é ele, o bolo pudim, quue já estava um pouco menor, porque eu já havia atacado um super pedaço.

O melhor quindim é o do "quitutes da Yayá" (acho que é esse o nome). Ele brilha, é molinho e desmancha na boca...


Esses tabuleiros proporcionam uma verdadeira orgia gastronômica... e por falar nisso... vale até a pena passar pelo constrangimento de pedir por aquele bolinho delicioso que fica assando no carvão... a gente respira fundo, faz cara de equanimidade, ou descolado e pede:
_Ô baiana, me dê uma punheta!

Baixo segue a receita do bolo de pudim. Eu gosto de fazer o bolo de laranja e às vezes de chocolate e ainda coloco uma calda bacana para cada um dos casos.



Bolo pudim de leite Ingredientes:


Pudim: 1 lata de leite condensado 1 lata de leite comum 4 ovos inteiros 1 colher de sopa de coco ralado (opcional) Bolo: 2 ovos 1/2 xícara (chá) de açúcar 1/2 xícara (chá) de leite morno 1 xícaras (chá) de farinha de trigo 1/2 colher (sopa) de fermento 3 colheres (sopa) de óleo
Modo de Preparo:
Caramelizar a forma ou tabuleiro. Leve um tabuleiro de alumínio (25cm de diâmetro) diretamente na boca do fogão com 1 e 1/2 xícara de açúcar. Com uma colher de pau vá mexendo até que o açúcar derreta e forme um caramelo. Segure o tabuleiro com luva térmica para não queimar as mãos e com auxílio da colher de pau espalhe um pouco do caramelo nas bordas. Reserve. Pudim:Coloque no liquidificador o leite comum, o leite condensado, o coco ralado (se quiser) e os ovos, um a um. Bata bem até que se misturem todos os ingredientes. Coloque em forma redonda com buraco no meio caramelada e reserve.

Bolo: Bata as claras em neve firme, acrescente as gemas, o açúcar, o óleo e o leite morno. Desligue a batedeira, adicione a farinha peneirada com o fermento aos poucos, misturando lentamente. Despeje a massa do bolo sobre o pudim, para assarem juntos na mesma forma e ao mesmo tempo. Leve ao forno por aproximadamente 40 minutos, em temperatura de 180° ou em banho maria por 40 minutos em temperatura de 250°. Se o seu tabuleiro ou forma foi maior que 25cm dobre a massa do bolo e do pudim.