sábado, 23 de outubro de 2010

Sorbet de Manga!



Sabe aquela receita simples que você oferece aos amigos e depois todos passam anos falando sobre ela? É esta!

Este sorbet é realmente encantador, a manga é uma fruta maravilhosa por excelência, mas o gengibre ou o zesto de lima fazem com que a receita se torne surpreendente!

Você vai precisar apenas de:

1 quilo de mangas tommy bem maduras e picadas
2/3 de xícara (130g) de açúcar
2/3 de xícara (160ml) de suco de tangerina (ou água)
1 colher de sopa de gengibre sem pele ou zesto de lima da pérsia

Leve tudo ao liquidificador e bata até formar um creme homogêneo.

Não tem sorveiteira? Use uma forma de pudim (metal), aquelas com um tubo no meio.Leve ao congelador ou freezer e deixe congelar. Desenforme e bata na batedeira até ficar cremoso.

Se quiser sirva em seguida em tacinhas bem geladas (leve as taças ao freezer antes). Mas se quiser algo ainda melhor:

Devolva o creme ao freezer por duas horas. Vá até ele e mexa a cada 30 minutos.

A receita é simples, prática e deliciosa.

Acontece que faço este sorbet há anos, aos poucos acrescentei o gengibre e depois a tangerina, e também o zesto de lima.

Eu adoro essa receita, e a história da forma de pudim aprendi com um amigo que vendia sorveteiras! Testei na época e funcionou.

Em breve vou ensinar a preparar um kulfi faluda,como aprendi a prepará-lo em Jaipur, cidade famosa pelo seu kulfi. Este sorvete indiano que é divino!

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Açúcar


"Com açucar, com afeto fiz seu doce predileto pra você parar em casa" Chico Buarque

Dona Branca doceira. Essa era a forma como minha bisavó era conhecida em uma cidadezinha do interior de Minas Gerais. Segundo o que me foi contado por minha avó, Branca era uma mulher linda e de branca, só mesmo a luz dos seus olhos, pois "cor de jambo" como diz minha avó.

Sustentou seus 4 filhos com sua arte. Passava o dia no tacho, de onde saia goiabada, doce de leite, doce de laranja, melado, rapadura e as geleias de frutas plantadas em seu próprio quintal. Tudo isso era levado até alguns armazéns das cidades maiores.

Segundo conta minha avó, ela inventou a goiabada branca e a geleia de pinga. Os doces que mais vendia eram os de frutas cristalizadas. Quadradinhos de mamão verde ou vermelho, lascas de laranja, carambola passa, etc.

Era sempre solicitada durante as cerimonias de casamento, para fazer o bolo, que recebiam um casal de pombinhos brancos feitos de açúcar e claras sobre a superfície.

Havia um ninho preparado por minha bisavó, feito com fios de ovos e castanhas portuguesas do qual minha avó fala e até hoje não sei do que se trata. Mas irei perguntar à minha avó e tentar prepará-lo um dia.

Os doces eram embalados em uma caixinha arredondada preparada pela minha bisavó com papelão. Segundo minha avó era a forma mais prática de embalar, além de ficar muito bonito quando por último recebia um papel branco. Minha avó dizia que a mesa da cozinha vivia cheia destas embalagens, antes que seguissem caminho para as vendas.

Já a goiabada, doce de mamão em barra e também de laranja, viajavam inteiros, eram imensos, e nas vendas eram cortados e pesados ao gosto do freguês.

Sempre me recordo dessas histórias contadas pela minha avó, também doceira e, nesse momento, minha vida se torna açúcar só.

Aproveite e acesse também: www.tododiayoga.blogspot.com, fique por dentro deste lindo projeto!