segunda-feira, 30 de março de 2009

Turma do curso Doces das Índias

Pessoas tão açucaradas quanto as iguarias do curso!

Doces das Índias

Curso: Doces das Índias. (primeiro módulo). As fotos abaixo foram feitas pela Ana Coelho no curso que ministrei no dia 28/03.
Um curso onde doces festivos, que alegram o paladar, transformaram a noite em algo especial!

































sexta-feira, 6 de março de 2009

Os sabores das Índias


Sedas de todas as cores; Mulheres carregando cântaros entre camelos;Palácios que são verdadeiras maravilhas esculpidas em arenito; uma cidade toda azul; lendas mil e o Taj Mahal, um sonho em mármore branco que declama uma história de amor.Imagine então, as delícias que vão às mesas indianas.Pratos instigantes e exóticos, como almôndegas de jaca verde, doces cobertos com prata comestível, assim como refrescos condimentados com pimenta ecominho. Um desafio para o paladar ocidental que não imagina que a cozinha indiana pode ser sua melhor descoberta. Há muitos séculos, tanto a "Rota das Especiarias", quanto "O Caminho Para as Índias" já alardeavam para o mundo os tesouros que um país com mais de 5 mil anos de História guardava. Capazes de conservar alimentos, e principalmente, transforma-los em manjares; as cobiçadas especiarias exigiram muitos esforços dos mercadores para serem adquiridas. As trocas comerciais na época das Grandes Navegações permitiram que a Índia emprestasse parte de seus aromas ao mundo. Porém a Índia reservou para si especiarias que hoje são exclusivas de sua mesa. A cozinha indiana é de longe a mais aromática das cozinhas, pois um dos elementos que a caracterizam é a mistura de especiarias chamada massala, onde pimentas flamejantes podem ter seu ardor amenizado por elementos neutros e adocicados. O curry, vendido nas prateleiras dos supermercados, diferente do que muitos livros já firmaram não constitui um elemento de uma cozinha indiana autêntica. Cada cozinheiro na Índia prepara sua própria mistura de especiarias no momento de cozinhar, triturando as especiarias e associando umas às outras. O termo curry foi uma distorção inglesa para o termo Kari (em hindi) atribuído a uma espécie
de ensopado de vegetais ou carnes que receberam este nome por serem aromatizados com Karipatta (uma folha muito aromática). Existe uma profusão de pratos que variam em cada região. No norte da Índia, região mais fria devido à sua proximidade aos picos gelados do Himalaia, há preparos à base de vegetais ensopados,cordeiros, aves, frutas secas, castanhas, lentilhas,com condimentos que ajudam a reter a temperatura do corpo. Pratos muito saborosos ebem elaborados, como os khormas (ensopados cremosos à base de vegetais ou carnes), os Kababs (espetos de carne assada), entre outras preparações deliciosas. Já no Sul da Índia, com seu calor abrasador há mais pratos à base de vegetais, frutas frescas, frutos do mar, que recebem um banho de especiarias perfumadas com uma ousada dose de ardor, que ajudam a diminuir a temperatura do corpo. O Kerala, estado de praias paradisíacas delineadas por coqueirais,tem sua cozinha composta por pratos muito saborosos à base de leite de coco fresco, tamarindo, karipatta, amchoor (pó extraído de uma espéciede manga ácida). Alguns exemplos de sua cozinha divina são os apimentadíssimos curries de peixes e frutos do mar. A maioria da Índia não consome carnes, já que o hinduísmo tem o Ahimsa (não-violência) como uma de suas normas éticas. As sobremesas indianas, conhecidas como Mithai, são em grande parte à base de leite. As prediletas dos indianos são o Kala Kand (tofes deleite), o Gulabjamoon (bolinhas de leite embebidas em xarope de rosas)e o refrescante Kulfi (sorvete indiano). Melhor que a teoria é a prática, monte uma tenda, perfume-a com incenso e convide as pessoas amadas para que vivam um sonho das mil e uma noites alimentado pelas incomparáveis iguarias da cozinha indiana
e bom apetite!
Artigo escrito por Fabio Goulart há 4 anos, publicado na revista Multistar

quarta-feira, 4 de março de 2009

Calor!!!

Já que falamos de pimenta no último post, nem é preciso mencionar que a cozinha indiana é hiper apimentada. Mas a pimenta além de estimular a paladar e deixar o prato muito prazeroso tem suas propriedades.

Mas claro, que nem todas são amigas, algumas são extremamente hostís.

Certa vez fui assistir um filme de comédia enquanto esfarelava com as mãos algumas pimentas secas. Acabei chorando de tanto rir de uma cena, e lá foi a mão nos olhos...

Outra vez coloquei uma pimenta para enfeitar uma geléia e uma comensal comeu, pois havia afundado em meio à geléia. Umas cinco pessoas, solidárias, fizeram de tudo para apagar o incêncio. Água, pão, vinho, leite, iogurte, farinha de mesa e até reza! Mas, nada... as papilas gustativas pareciam fritar e eu precisei acalmá-la.

A nossa amiga pimenta é rica em vitamina A, B1, B2, C, E e niacina
Possui propriedades analgésicas e energéticas
Favorece a redução de coágulos no sangue, pois é vasodilatadora
Atua como cicatrizante de feridas
Estimula a produção de endorfina no cérebro, hormônio que produz a sensação de bem estar
Tem ação antioxidante, antiinflamatório e anticâncer, além de prevenir a arterioesclerose
Pode reduzir o desejo de comer, sendo benéfico ao tratamento da obesidade
Controla o colesterol

Chana Dal




500 g de grãos de bico
coentro fresco
leite de coco (200ml)
tomates picados (2 xic)
2 cebolas grandes picadas
5 dentes de alho esmagados
3 pimentões pequenos picados (verde,vermelho e amarelo)
3 pimentas malaguetas amassadas
óleo vegetal
massala: 1 colher de sobremesa de cravo, cominho, cúrcuma e noz moscada ralada.
1 xicara de gengibre picado em cubinhos


Preparo:

Refogar o alho até dourar. Adicionar a cebola e especiarias.
Só então adicione o grão de bico já cozido e o leite de coco e deixe ferver por cerca de 8 minutos.
Servir com arroz branco ou clorido com cúrcuma (1 colher de sopa rasa, para 2 xic e arroz)

Os sabores das Índias estão na letra da música




Na bulayaNa batayaNa bulayaNa batayaMhane neend se jagaya hai reAisa chaukail haath mein naseeb aa gayaWoh elaichi khilai ke kareeb aa gaya

Sem contar

Sem me chamar

Sem contar,Sem me chamar, Ele me acorda do sono profundo

De repente meu destino vem aos meus lençóis

E me alimenta com cardamomo, vindo até mim
Acenda a lenha
No meu coração Como se houvesse um fogo ardendo
Para quem nunca rendeu à sua língua o sabor inigualável do cardamomo, experimente a receita do chai postada aqui no blog e depois me diga se não foi uma grande e maravilhosa descoberta.